Veja como ficou a sede do SINTE depois da Reforma

domingo, 1 de agosto de 2010

Estatudo da igualdade racial

A aprovação de uma farsa
Projeto marca um retrocesso nas reivindicações históricas do movimento, como a política de cotas

Por Cláudia Durans, pré-candidata a vice-presidente pelo PSTU, e Hertz Dias

• Foi com entusiasmo que o ex-ministro da Igualdade Racial Edson Santos celebrou a aprovação do Estatuto da (des)Igualdade Racial pelo Senado. Mas não há nada o que comemorar, pois o texto não representa as reivindicações históricas do povo negro. O estatuto, durante o tempo em que tramitou no Congresso, sofreu ataques da direita e de setores burgueses até ser aprovado totalmente diferente do projeto original.
O fato revela o cinismo e a perversidade da burguesia racista, herdeira econômica, política e culturalmente dos escravocratas, que pretende continuar mantendo a exploração, a opressão e a humilhação da população negra.
A expectativa era de que o Estatuto da Igualdade Racial fosse um instrumento que de fato contribuísse para enfrentar a discriminação racial. E que também estabelecesse políticas de ações afirmativas para garantir os direitos essenciais dos afrodescendentes vitimados pelo processo de histórico de escravidão.
No entanto, o que poderia ter sido um avanço não passou de um acordo entre o PT, através do senador Paulo Paim (RS), a SEPPIR (Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial) e representantes do agronegócio e ruralistas, por meio do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), relator na Comissão de Constituição e Justiça.
Assim, o estatuto aprovado é a síntese mais fiel da aliança de forças nacionais que representa o governo Lula. A secretaria de igualdade racial deste governo nada fez de concreto para reduzir as desigualdades raciais no Brasil. Ao contrário, não passou de acessório, de uma simbologia racial para cooptar parte da militância negra.
Desta forma, o estatuto aprovado suprimiu pontos importantes como as cotas para negros nas universidades públicas, o que não nos causa espanto, pois o relator defende as “cotas sociais” e não raciais, e que o acesso à universidade deve ser baseado no “princípio do mérito e da capacidade de cada um”.
Da mesma forma, foram suprimidas as cotas do mercado de trabalho, assim como a redução do percentual de 30% para 10% de cotas reservadas à participação de negros em partidos políticos.
Outro aspecto importante excluído do texto original foi o que tratava da regularização de terras para remanescentes de quilombos, um erro muito grave. A retirada deste tema não considera os quilombolas como proprietários de territórios historicamente ocupados, como forma de sobrevivência física e cultural desta população. Acrescentou-se a esse documento o incentivo fiscal que o governo poderá dar a empresas com mais de 20 funcionários que decidirem contratar pelo menos 20% de negros.
Há ainda neste estatuto erros gravíssimos do ponto de vista conceitual, a exemplo da retirada das categorias raça, escravidão e identidade negra. No que se refere a raça, o argumento utilizado enfatiza que do ponto de vista genético as raças não existem. No entanto, como conceito social, esta categoria ganhou um novo significado através do movimento negro e por intelectuais de várias áreas de conhecimento. O sentido é o de deixar clara a hierarquização da sociedade brasileira, na qual os grupos étnicos foram e são marcados por profundas desigualdades e discriminações.
Na mesma direção, foi rejeitado o termo escravidão, pois ele foi considerado como tradicional e inadequado, pois se trata de algo do passado. Como a sociedade brasileira está em transição, emergindo para uma sociedade democrática, com propostas de ações afirmativas que visam acabar com as desigualdades sociais, “escravidão” não seria o termo mais adequado.
Ora, a escravidão do negro no Brasil durou quase quatrocentos anos, em contraste com apenas 122 anos de trabalho livre, o que constitui uma prolongada experiência histórica que até hoje deixa marcas profundas nessa população, tanto no que se refere ao acesso aos bens materiais e culturais, como na dificuldade de construção da identidade étnica.
Não restam dúvidas que o Estado brasileiro tem uma dívida histórica com o povo negro. O estatuto seria uma forma de buscar assegurar direitos políticos, econômicos, sociais e culturais desta população, através de uma política de ações afirmativas que dessem conta das demandas históricas.
Precisamos desfazer os mitos junto à população submetida à miséria, à violência cotidiana e aos programas assistencialistas, que reiteram a subalternidade e retiram a dignidade do ser humano. Assim como o significado do governo Lula, que tem suas raízes no movimento operário, que confirma as políticas racistas e reacionárias do DEM, impossibilitando o acesso da juventude à educação superior, da população negra a políticas de saúde diferenciadas, dos remanescentes de quilombo à terra.
Somamo-nos às 24 organizações do movimento negro que se manifestam contra a versão atual do Estatuto da Igualdade Racial, esvaziado de conteúdo de justiça racial. O estatuto aprovado não tem força de lei, foi rebaixado, tendo o caráter de apenas autorizar e não determinar, fazer cumprir. Isto fica visível inclusive com a retirada de recursos para sua execução pelos gestores, que não são obrigados a colocarem-no em prática.
O estatuto está na contramão dos avanços nas lutas institucionais do movimento negro contra o racismo, a exemplo da política de cotas implementada em muitas universidades públicas.
Conclamamos a juventude, as trabalhadoras e os trabalhadores negros para a luta contra a dominação racista, contra a exploração, por melhores condições de trabalho e de existência, para que reine a liberdade e as diferenças sejam respeitadas. Em defesa das cotas para negros nas universidades públicas! Pela titulação de terra aos remanescentes de quilombos!

4 comentários:

Anônimo disse...

Desculpe o transtorno mas o que afinal de contas significaa materia apresentada neste Blog.



se houver problemas, veja em total

Não, não se trata de uma notícia fantasiosa, os 7,15% de aumento dado pelo governo do estado na greve do inicio do ano letivo e tão ovacionado pela Direção Estadual do SINTE-RN (Sindicato dos Trabalhadores em Educação do RN), na realidade fez foi reduzir o salário líquido recebido por muitos professores do Estado.
Somando-se todas as vantagens e descontos, o professor Nível III Letra C, que nos emprestou esse contracheque, no mês de Maio, recebia$ 1092,71 em seus vencimentos líquidos. Depois do esperado aumento que foi negociado entre o SINTE-RN e o governo do Estado, o mesmo professor, agora em Julho, passou a receber R$ 1089,52 em seus vencimentos líquidos, ou seja, seu salário líquido, que é o que realmente interessa, fez foi reduzir após o aumento. As identificações do professor no contracheque como: Nome, matrícula, escola e senha, não estão visualizados para evitar maiores constrangimentos. Usamos os meses de Maio e Julho como exemplo, pois em Junho pagou-se 40% do décimo o que dificultaria uma ideia mais clara da situação.

Explicação para o fenômeno

A explicação é simples: O mistério está no complemento dado pelo governo em março, logo após a greve, do hilário piso nacional salarial da Educação criado no governo Lula que cada estado interpreta como bem entende. Veja o complemento no contracheque, ele é uma espécie de abono para completar o piso nacional, somando-se 32,64 + 47, 85 + 30,87 = 111,36 de abono em Maio. O glorioso aumento de 7,15% agora em Julho, incidiu somente sobre o salario base de Maio, que era de R$ 954,76 e passou a ser de R$ 1025,39 depois do aumento, no caso desse professor. Como o abono foi retirado depois do aumento, seu salário diminuiu, ou seja, O governo Wilma/Iberê deu com uma mão e tirou com a outra.

Assim como o caso desse professor, existem muitos outros casos no estado de quem já é da letra C para frente. Só quem teve um aumento melhorzinho, são os professores que estão na letra A, que estão em inicio de carreira. Os professores que tem mais tempo de serviço nesse estado estão condenados a ganhar sempre a mesma coisa.

Antes que o governo e o SINTE-RN vão para a TV fazer propaganda dessa enganação, vocês ficam sabendo que existe um estado da federação: O Rio Grande do Norte, Governador: Wilma Faria/Iberê Ferreira de Souza, onde os professores depois de um aumento tem seus salários reduzidos. Antes que lancem propagandas saibam que a realidade é essa.

Não é atoa que somos um dos lanternas da Educação nesse pais, mais que em todos os lugares, aqui tudo é um faz de contas na Educação


Novamente obrigado pela atenção.

Operários da Educação disse...

Professora, é assim que penso também. Então temos que lutar juntos para derrubarmos esses governos e essa direção estadual do sindicato tambem.
"Só a luta muda a vida"

Abraço!
Gabriel

Anônimo disse...

PROFESSOR E FUNCIONÁRIO DO ESTADO, QUE NÃO FOR ALIENADO, NÃO VOTA EM CANDIDATO DO P T , POIS É UMA FARSA , PODERIA NEM USAR A SIGLA PT.vAMOS DAR UM TROCO NESTE POVO Q SE DIZ PT.

Anônimo disse...

CAROS COLEGAS, NÃO VAMOS VOTAR EM PESSOAS LIGADOS AO GOVERNO DO ESTADO.e FAZERMOS PROTESTO, NÃO VOTAR EM NENHUM CANDIDATOQ SEJA DESTA FARSA PT.QUE É PARTIDO TRAIDOR.